sexta-feira, dezembro 2, 2022
Início Brasil Lava Jato de Curitiba reclama de visita de subprocuradora

Lava Jato de Curitiba reclama de visita de subprocuradora

Lindora foi apontada por Aras

Uma visita da subprocuradora-geral da República Lindora Maria Araújo à força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, terminou em desentendimento. Braço direito do procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, Lindora foi consultar arquivos da equipe que originou a operação anticorrupção em 2014. Ela foi nomeada chefe da Lava Jato nos processos do Supremo Tribunal Federal (STF) por Aras em janeiro.

Após a visita, os 14 procuradores da força-tarefa enviaram um documento ao PGR e à Corregedoria-Geral do Ministério Público. No ofício, eles comunicam os fatos e o estranhamento gerado na “busca informal”.

Segundo os procuradores de Curitiba, Lindora não prestou informações sobre a existência de um procedimento que justificasse a visita. Em nota, a subprocuradora nega qualquer ilegalidade e diz que não houve “visita surpresa”, mas sim uma reunião previamente agendada. “Não houve inspeção, mas uma visita de trabalho que visava à obtenção de informações globais sobre o atual estágio das investigações.”

Segundo ela, não se “buscou compartilhamento informal de dados, como aventado em ofício dos procuradores”. A solicitação de compartilhamento de informações foi feita por meio de ofício direcionado à força-tarefa de Curitiba no dia 13 de maio. “O mesmo ofício, com o mesmo pedido, foi enviado para as forças-tarefas de Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro.”

“Os assuntos da visita de trabalho, como é o normal na Lava Jato, são sigilosos. A PGR estranha a reação dos procuradores e a divulgação dos temas, internos e sigilosos, para a imprensa”, diz a subprocuradora.

A Lava Jato dá uma informação diferente. Segundo os procuradores, Lindora comunicou a visita por telefone, no dia anterior. “Não foi formalizado nenhum ofício solicitando informações ou diligências, ou informado procedimento correlato, ou mesmo o propósito e o objeto do encontro”, consta no documento, segundo apurou a reportagem.

Com a subprocuradora, estavam o secretário de Segurança Institucional, Marcos Ferreira dos Santos, que é delegado de Polícia Federal, e o procurador da República Galtienio da Cruz Paulino, do gabinete de Aras.

Acervo
A chefe da Lava Jato na PGR teria informado que a equipe tinha dois trabalhos a fazer em Curitiba: examinar o acervo da força-tarefa e consultar dados da área de tecnologia. O motivo seria suposta preocupação com o “volume de trabalho pendente acumulado”.

Integrantes da força-tarefa viram a ação como inusitada e temem um risco para os dados das investigações. Um dos receios é que a PGR peça a transferência de dados sigilosos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

- Advertisment -

Ultimas noticias