quinta-feira, dezembro 1, 2022
Início Nordeste Hoje Infectologista defende lockdown por três semanas no Piauí e diz que flexibilizar...

Infectologista defende lockdown por três semanas no Piauí e diz que flexibilizar isolamento seria ‘carnificina’: ‘não está na hora’


Carlos Henrique Nery disse que liberar atividades econômicas agora “seria estragar tudo o que foi feito”. Apenas bloqueio total, segundo ele, poderia fazer com que número de casos de coronavírus seja controlado. O infectologista Carlos Henrique Nery Costa defendeu que o estado do Piauí adote medidas mais duras de isolamento social, sendo necessário o uso do lockdown, o bloqueio de atividades, na prática, com controle rígido de circulação de pessoas nas ruas. Para o especialista, o fechamento total, “mais duro”, deveria ser usado por três semanas para conseguir controlar a Covid-19. Flexibilizar atividades, segundo ele, seria “carnificina” e um “suicídio”.
“Agora, na minha visão, é hora de lockdown por no mínimo três semanas, de forma dura. Aí, poderemos parar a pandemia, conversar e estabelecer estratégias localizadas, paulatinas, de reabrir a economia. Se não fizermos isso [o lockdown], não vamos sair do atoleiro”, analisou Carlos Henrique Nery, em entrevista à TV Clube.
“O Piauí conseguiu postergar com suas medidas precoces, fez muito, o quadro dramático de lotação das UTI, mas se nós quisermos acabar com isso, temos que jogar mais duro, fechar, ter o lockdown e discutir quando abrir”, completou o médico.
Exames de Covid-19: mais de 19 mil casos confirmados no Piauí
Breno Esaki/Agência Saúde
Veja serviços afetados pelo coronavírus no Piauí
O que fazer e para onde ir em caso de aparecimento dos sintomas
Acompanhe a evolução da curva epidêmica no estado
Carlos Henrique Nery também se mostrou contra a flexibilização de atividades econômicas e disse que não está na hora. O governo do estado programa para o dia 6 de julho a reabertura de pelo menos três setores: construção civil, automotivo e clínicas de saúde. A Prefeitura de Teresina também sinalizou para essa data a liberação.
Para o infectologista, abrir nessa data seria uma “carnificina” e um “suicídio”.
“Não está na hora, nem sonhando. Não chegou a hora de parar [o isolamento]. Parar agora é suicido, é carnificina. Terrível parar agora, seria estragar tudo o que foi feito até agora. Além das perdas de vida, as perdas econômicas. Seria se aventurar em bases médicas, bases de saúde pública, apenas em interesses econômicos. Aí, seria o fim”, avaliou.
Para Carlos Henrique Nery, sem o bloqueio total, teríamos mais dois meses de economia parada, “sem resolver nem de um lado e nem do outro”. No total, o Piauí tem 19.753 confirmados e 643 mortes em decorrência do novo coronavírus. A taxa de ocupação nos leitos de UTI é de 74%.
“Se levarmos o isolamento, o lockdown, por um período prolongado não tenha dúvida que a pandemia cederia. E assim, poderíamos nos organizar para reorganizar a economia. Levando como nós estamos, isso vai levar um longo tempo, com tudo paralisado, não resolvendo nem por um lado e nem para o outro. Essa é a minha perspectiva”, avaliou o infectologista.
Não há, na avaliação do médico, uma projeção de estabilização do número de casos no Piauí.
“Não se brinca com 30 mortes por dia, situação que não se tinha antes, há meses atrás. É grave, muito preocupante porque a pandemia continua crescendo. É uma doença nova, grave, e não temos quase nada para tratar a doença, exceto para casos graves e moderados, mas ainda com uma substância ainda em estudo”, comentou.
Entenda o que é lockdown
Embora não tenha uma definição única, o lockdown é, na prática, a medida mais radical imposta por governos para que haja distanciamento social – uma espécie de bloqueio total em que as pessoas devem, de modo geral, ficar em casa.
Veja as diferenças dos termos relacionados à reação à pandemia de Covid-19:
Isolamento social – é, em princípio, uma sugestão preventiva para todos para que as pessoas fiquem em casa
Quarentena – é uma determinação oficial de isolamento decretada por um governo
Lockdown – é uma medida de bloqueio total que, em geral, inclui também o fechamento de vias e proíbe deslocamentos e viagens não essenciais
Decretos determinam distanciamento social
Para evitar a contaminação pelo vírus, o isolamento social e medidas emergenciais foram determinadas por meio de decretos do governo do estado e das prefeituras, como na capital piauiense, para que a população fique em casa e evite ao máximo ir às ruas. Aulas em escolas e universidades, a maioria das atividades comerciais, esportivas e de serviços em geral estão suspensas por tempo indeterminado.
Governador prorroga decreto de isolamento até 6 de julho
Serviços essenciais como farmácias, postos de combustíveis e supermercados continuam mantidos mas estão regulamentados. O atendimento em clínicas, hospitais e laboratórios, assim como o funcionamento de escritórios de advocacia e contábeis também foram liberados mediante cumprimento de regras.
O uso de máscaras em locais públicos tornou-se obrigatório em todo o estado. Policiais fazem abordagens nas fronteiras do estado a ônibus e veículos particulares. Os decretos preveem que quem descumprir as regras pode ser penalizado com multa ou até prisão.
Prevenção, contágio e sintomas
Lavar as mãos de forma correta (veja vídeo), uso de álcool em gel, sempre usar máscaras, evitar contato pessoal e aglomerações de pessoas são algumas das orientações para evitar o contágio da doença.
Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia da Covid-19
É importante também ficar atento quanto aos principais sintomas (tosse seca, congestão nasal, dores no corpo, diarreia, inflamação na garganta e, nos casos mais graves, febre acima de 37° C e dificuldade para respirar). Um guia ilustrado preparado pelo G1 ajuda a tirar dúvidas.
Initial plugin text

- Advertisment -

Ultimas noticias