sexta-feira, dezembro 2, 2022
Início Geral “A ciência não avisou?” Entenda o aumento de doenças respiratórias em crianças...

“A ciência não avisou?” Entenda o aumento de doenças respiratórias em crianças no Brasil

Rondônia, Mato Grosso, Pará e Maranhão são os estados mais atingidos

Tema debatido desde o começo do ano por diversos estudiosos e até mesmo por pessoas do meio artístico, fizeram com que os olhos dos brasileiros se voltassem para maior floresta de mata atlântica do mundo: a Amazônia.

Segundo especialistas, desde o início das queimadas, dobraram signitivamente o número de crianças internadas com problemas respiratórios. Registros do Sistema Único de Saúde, mostraram um aumento de quase 2,5 mil crianças em comparação a média esperada.

Por possuírem um sistema imunológico mais sensível e um sistema respiratório ainda em desenvolvimento, quando expostas a um meio com alto índices de poluição, com uma umidade baixa, ficam doentes rapidamente.

Áreas de maior risco

Dentre os estados mais afetados pelas queimadas, entram no ranking: Maranhão, Pará, Mato Grosso e Rondônia. Alguns de seus municípios estão classificados em “estado de alerta”, isso porque seus números tornaram-se cinco vezes maiores; um bom exemplo são as cidades de Santo Antônio do Tauá e Bannach, no Pará, Comedouro, no Mato Grosso e Santa Luzia d’Oeste, no estado de Rondônia. Outros números alarmantes também acercam o estado de Roraima, registrando cerca de 2.398 mortes.

Sobrevivência indígena  

Estudos recentes voltaram-se para a população que mais tem sofrido os impactos da poluição causada pelas queimadas. Não se faz possível registrar em números a incidência de doenças respiratórias nessas áreas, devido ao aumento acelerado e contínuo; infelizmente, os gases poluentes têm alcançado grandes distâncias.

Moradores de terras indígenas acabam por desempenhar um papel de proteção com mais ênfase contra os possíveis ataques. 

- Advertisment -

Ultimas noticias